Ao continuar a navegar nesta página web, o utilizador está a concordar expressamente com a colocação de cookies no seu computador que permitem medir estatísticas de visitas e melhorar a qualidade dos conteúdos oferecidos. Saiba Mais

Notícias

5 dicas para avaliar o estado do seu robot

Neste artigo, deixamos-lhe algumas dicas para verificar com regularidade o estado do seu robot.

Existem alguns indicadores que são reveladores do estado geral dos robots, que podem e devem ser avaliados periodicamente. É importante relembrar que um robot é normalmente parte integrante de um sistema composto por outros equipamentos que interagem entre si. Nesse sentido, quando surge um problema de manutenção, este nem sempre tem origem no robot, pelo que é sempre aconselhável monitorizar a funcionalidade de todo o sistema.

No caso concreto dos robots, estes são avaliados tendo em consideração a sua performance geral (p.e., fiabilidade mecânica, precisão ou a qualidade das peças de substituição), a sua funcionalidade interna (nível de lubrificação, torque ou cablagem) e ainda pela performance do seu controlador.

Neste contexto e considerando todas as variáveis a serem avaliadas, identificamos 5 dicas que permitem perceber qual o estado geral de operacionalidade do seu robot:

1) Análise das Massas Lubrificantes: Para garantir a qualidade dos componentes mecânicos (p.e, caixas redutoras) deve ser realizada uma análise às massas lubrificantes, monitorizando desse modo os níveis de ferro. Igualmente muito importante é alertar para o facto de que os lubrificantes utilizados devem ser os referenciados no manual de cada robot;

2) Teste Manual: Este teste envolve mover manualmente o robot, com o objetivo de se avaliarem vibrações, barulhos, folgas ou outros sintomas que possam revelar problemas mecânico, atuais ou futuros;

3) Análise de Torque: Normalmente executado por técnicos certificados/qualificados, este teste mede o torque dos motores, procurando indicadores que possam demonstrar inconsistências no movimento do robot;

4) Teste de Folgas: Este procedimento procura determinar a quantidade de folgas nos redutores. Para leituras precisas, o robot e o indicador são posicionados numa localização específica. Este teste também é normalmente realizado por técnicos certificados/qualificados;

5) Horas de Utilização: Este indicador visa rastrear o tempo de trabalho dos robots. No caso dos robots Yaskawa estão prescritas/sugeridas 6000 horas (no máximo) de trabalho para realização de nova manutenção preventiva. Ao realizar a manutenção em intervalos regulares, o funcionamento do robot é otimizado, prevenindo tempo desnecessário de inoperacionalidade.

As dicas descritas correspondem a tarefas de relativa fácil execução que por si só não dispensam, sempre que necessário, avaliações mais precisas e dedicadas, pois devemos ter a consciência de cada aplicação é única e o comportamento dos equipamentos varia de aplicação para aplicação.

A informação agora partilhada, não elimina a necessidade de as empresas deterem e fazerem cumprir um plano de manutenção, de modo a garantir o bom funcionamento dos robots.

A ROBOPLAN através do seu Departamento de Após Venda, disponibiliza serviços dedicados à elaboração de planos de manutenção preventiva, para em articulação com os seus clientes, definir tarefas, prazos de execução e indicadores de performance dos robots instalados.

Planeamentos otimizado e orientados por dados e indicadores recolhidos a partir dos equipamentos instalados, possibilitam decisões proativas, redução de tempos de paragem e, consequentemente, fabricas mais produtivas.